sábado, 21 de julho de 2012

Educação no Brasil é uma farsa


FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO

 
  O texto abaixo foi escrito por um pedagogo da rede de ensino, nesse artigo ele relatou friamente a realidade do ensino em nossas escolas e faculdades. O texto muito bem escrito toca em pontos críticos do nosso sistema de ensino, apesar de ser um texto grande recomendo que leiam e tirem suas próprias conclusões.

Educação é uma farsa!

José Luiz de Paiva Bello
Rio de Janeiro, 1998.
(revisado e alterado: jul. 2004).

 

      Diálogo entre dois professores no corredor de uma escola:
      "- Então você reprovou o estudante Fulano? Por que?
      - Porque ele não sabia escrever.
      - Mas você é professor de História e ele foi aprovado pela professora de Português.
      - Mesmo assim ele não sabia expressar suas idéias na minha disciplina.
      - Ora! Se todos os outros professores aprovaram você tinha que aprovar também. Você não pode ser diferente dos outros.
      - Mas ele não conseguiu assimilar o conteúdo da minha disciplina.
      - Não interessa! Reprovar por que?
"
      Essa me foi contada por um colega professor de uma cidade do interior do Estado do Rio de Janeiro:
      "Tive um estudante na sétima série que era analfabeto. Eu, por achar lógico, reprovei-o na minha disciplina. Por tê-lo reprovado todos na escola, professores, funcionários e estudantes, pularam em cima de mim como se eu tivesse cometido um crime. Fiquei curioso, como professor novo na escola, e fui procurar saber o motivo de tanta revolta contra mim.
      Descobri que o estudante em questão era sobrinho da muito querida faxineira. Por ser um menino
'muito bonzinho' a professora da primeira série do primeiro grau aprovou-o e jogou o problema para a professora da segunda série. A professora da segunda série, por achá-lo também 'muito bonzinho', repetiu o ato irresponsável da professora anterior. E assim foi até a sétima série, quando caiu sob a minha responsabilidade. Resultado: o menino, então com treze anos, era analfabeto e não poderia continuar os estudos; teve que sair da escola e passou a ser considerado um estudante 'especial'"
      Outra história de professor:
      "Fui demitido de uma faculdade porque reprovei a filha do dono. Em trinta dias/aula ela só assistiu um dia. Mesmo assim o Diretor, que era o dono, se sentiu no direito de me mandar embora. A qualidade das minhas aulas, minha integridade moral e a aprendizagem dos estudantes não estavam em questão."
      Mais outra de uma escola estadual de Ensino Fundamental no subúrbio do Rio de Janeiro, contada por outro colega, professor de História:
      Num Conselho de Classe os professores discutiam a promoção de estudante por estudante. A professora de matemática dizia que um de seus estudantes não foi bem, mas sugeria a aprovação dele já que seu pai vivia bêbado, sua mãe era prostituta e o estudante estava envolvido com drogas. Todos do Conselho votaram pela aprovação. A professora de Português, falando de outro estudante, dizia que ele não tinha conseguido um rendimento satisfatório, mas, como estava envolvido com drogas, sugeria a sua aprovação para estimulá-lo nos estudos. Todos do Conselho votaram pela aprovação. A professora de Geografia citou uma outra estudante que não tinha ido bem, mas como ela soubera que esta estudante tinha se tornado prostituta, a aprovação poderia tirá-la desta vida. E assim foi até que passaram a analisar uma estudante que havia tirado ótimas notas em todas as matérias. Meu colega perguntou pelas condições familiares e de vida desta aluna. Ao saber que seus pais eram honestos e trabalhadores e a estudante uma menina comportada, votou pela reprovação dela: "Ora! Se estamos aprovando todos aqueles que trazem problemas familiares e vivenciais, esta estudante não faz mais do que sua obrigação de tirar nota dez em todas as matérias. Como não tirou, voto pela reprovação".
      É claro que meu colega estava ironizando o ridículo Conselho de Classe.
      Bem, não vou ficar contando histórias que todos os envolvidos em educação estão cansados de conhecer. Aliás, se tivesse que contar essas histórias aqui daria para preencher um grosso livro. Mas isso é a educação formal. A realidade concreta das escolas não é o que se apregoa sobre educação. Ou seja: uma coisa é a realidade vivenciada nas escolas, outra coisa é a teoria pedagógica.
      Você que está lendo este texto, e trabalha numa faculdade de Pedagogia, faça um teste: pergunte ao professor de Psicologia da Educação ou o de Estatística (se eles não forem Pedagogos por formação, o que normalmente acontece...) o que é Pedagogia. Ou então, mais especificamente, pergunte a um professor de Psicologia da Educação, o que é "bullying", ou ainda, qual a diferença entre dificuldade de aprendizagem e problema de aprendizagem. Experimente perguntar a um professor de um curso de Pedagogia o que é ser Pedagogo. Se eu não sei responder a estas perguntas, como eu posso estar contribuindo para a formação profissional dos estudantes que estão sob minha responsabilidade? Eu estarei ensinando o quê e para quê? 


Os professores, na sua maioria, não conhecem a área de atuação dos estudantes que estão formando vão trabalhar.

      Esta é a característica principal das nossas faculdades: os professores, na sua maioria, não conhecem a área de atuação dos estudantes que estão formando vão trabalhar. Não estou me referindo apenas a Pedagogia; refiro-me a qualquer curso de graduação. É comum encontrarmos professores de Psicologia da Educação que, durante toda a duração de seu curso, só se referem a Freud, Klein, Reich e não fazem nenhuma referência a Piaget. Aliás, conheço casos de Pedagogos, recém formados, que nunca ouviram falar de Piaget. De Montessori e Freinet então, nem se fala; são raros os cursos de Pedagogia que conseguem repassar o que é a didática montessoriana ou freinetiana. Quando muito estes autores são trabalhados, de forma sucinta, na disciplina História Geral da Educação e, mesmo assim, para colocá-los dentro de uma escola teórica pedagógica. O nosso Paulo Freire é um ilustre desconhecido dos nossos cursos de graduação em Pedagogia. Nos cursos de Pedagogia é comum encontrar psicólogos ministrando a disciplina Didática. Provavelmente porque este psicólogo, professor de Didática, ou é muito amigo de quem seleciona os professores na instituição, ou é bem indicado. Neste caso não é a competência do professor ou a aprendizagem do estudante que está em questão. 


A "aula dada" através de seminários oferecidos pelos alunos é uma prática explícita de charlatanismo ou ignorância.

      Por falar em didática, o que dizer da didática das salas de aula dos cursos superiores? A aula dada através de "seminários"? Será que não existe um cérebro são neste país para denunciar isto como uma prática de charlatanismo? A "aula dada" através de seminário representa o mesmo que o paciente entrar num consultório médico, para fazer uma pequena cirurgia, e o médico tratá-lo através de um ritual "voodu". Os professores que aplicam a "didática do seminário" consideram "aula dada" as apresentações feitas pelos estudantes que, pelo menos teoricamente, não sabem o que é didática. Eles repassam aos estudantes a responsabilidade do planejamento da aula, que deveria ser sua, e o saber de uma técnica, que deveria ser seu. A prática da apresentação do "seminário", inclusive, é o próprio atestado da farsa, onde os estudantes copiam trechos de livros, entregam um trabalho escrito ao professor e fazem uma leitura enfadonha diante dos demais estudantes desinteressados. E o mais grave é que os professores consideram esta leitura como "aula dada" e "matéria para a prova". Então os estudantes têm que correr para os livros para estudar ("a parte dos outros", se não a própria parte, já que o trabalho apresentado foi copiado da Internet) aquilo que o professor deveria ter facilitado a eles. E isto quando se têm "provas", porque, na maioria das vezes, as notas são dadas para a apresentação do "seminário", que não passou de uma leitura enfadonha de uma cópia de trechos de livros. E então, o professor, do alto de sua galhardia pedagógica dá nota 7 para um, nota 4 para outro, nota 9 para outro e outras notas para outros. Agora eu pergunto: aqui entre nós, colegas, vocês acreditam mesmo que esses professores tenham critérios sérios para avaliar o desenvolvimento da aprendizagem através da prática do "seminário"? Quais serão os critérios adotados para dar uma nota 7 a alguém que foi lá na frente para fazer uma leitura. Se a avaliação fosse para um curso de arte dramática até poderíamos entender...
      Já que estamos falando de avaliação e de notas, que tal falar da prova em dupla ou prova em grupo? Não estão acreditando? Pois acreditem, é a mais pura verdade. Já vi vários professores, de várias instituições, aplicarem provas pontuais (prova 1 mais prova 2, depois tira a média) em grupo ou em duplas. Acredito que um professor que faça uma coisa dessas ou nunca leu nada sobre medidas e avaliação, ou, se leu, nada entendeu. Aliás, lendo ou não lendo, é uma atitude totalmente irracional. Será que esse professor não consegue perceber que se ele juntar um estudante aplicado, estudioso, com outro que seja um idiota, preguiçoso, os dois tirarão a mesma nota? Se a prova serve para ajudar ao professor a ter consciência do desenvolvimento da aprendizagem do estudante na sua disciplina e, conseqüentemente, reformular o seu planejamento, a estratégia da prova em dupla ou em grupo é totalmente inútil e equivocada.
      E o que dizer do "fichamento", prática tão comum de tantos professores? O fichamento parece uma "Torre de Babel", onde cada professor exige dos estudantes aquilo que ele mesmo considera fichamento, desconsiderando, na maioria das vezes, as técnicas do fichamento e as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas, a ABNT. Já presenciei professor pedir para seus estudantes "fichamento em grupo" (!?). Além disso, são pedidos fichamentos a partir de cópias xerográficas de capítulos de livros (o que é ilegal e continua a ser praticado em grande escala) quase que ilegíveis. O fichamento, com certeza, é uma técnica interessante de estudo, mas perdida pela incompetência generalizada. 


Provavelmente a única instituição que não dá o menor valor às normas emanadas pela ABNT é a Academia de Ciências.

      Já que estou fazendo deste texto um desabafo em forma de mosaico, permitam-me inserir aqui a questão da ABNT. Provavelmente a única instituição que não dá o menor valor às normas emanadas pela ABNT é a Academia de Ciências. Em todos os cursos professores e coordenadores fazem o que querem das normas. Alguns estudantes me retornam que seus professores orientadores “orientou-os” a “esquecer as normas da ABNT”(!!??). Imaginem o desacerto com o professor das disciplinas de Metodologia Científica, Técnicas de Estudos ou Técnica de Pesquisa. Os professores destas disciplinas mostram que não consta como regra limitações de páginas num trabalho científico; que o que vale é o conteúdo. Vem o professor orientador e diz que “a norma define um mínimo de trinta páginas”. Lá vem a farsa outra vez: o estudante repete com outras palavras o que já foi dito, inclui trechos ou capítulos que nada acrescenta ao conteúdo trabalhado, vai em formatar fontes do seu editor de texto para dar maior espaçamento entre os caracteres e aí cumpre o mínimo de trinta páginas no seu trabalho. Alguns coordenadores exigem até mesmo limite máximo de páginas.
      Em Educação parece que nem o que está escrito sobre diretriz da própria Educação vale. No final do ano de 2004, o Ministério da Educação resolveu avaliar a educação básica do ensino brasileiro, para posterior replanejamento. Para isso resolveu recolher depoimentos... Das direções das escolas? Dos professores? De competentes pedagogos? Dos estudantes? Dos funcionários das escolas? Não! Os engravatados do MEC resolveram colher depoimentos dos pais (!!!). Dos pais? Por que dos pais? Acredito que o depoimento dos pais também seja importante numa avaliação, mas num contexto geral. Esse, aliás, é o espírito do Projeto Político Pedagógico (PPP), que todas as escolas devem elaborar o seu, e da idéia da Escola Cidadã.
      Duas coisas podem se deduzir a partir da constatação desta iniciativa do MEC: a primeira é que os senhores engravatados que planejam a nossa educação, não sabem o que é um Projeto Político Pedagógico; outra: caso saibam o que é um PPP, estão nos afirmando categoricamente que o Projeto Político Pedagógico é uma farsa. Nesta segunda hipótese quem conhece o ambiente escolar sabe que na quase totalidade das escolas o PPP é realmente uma farsa. Quem está lendo este texto já leu alguma redação de um PPP? Que tal? Na maioria dos que eu li se as escolas cumprissem o contexto do que está escrito a humanidade estaria definitivamente salva. Eu disse na maioria porque nas outras o PPP não passa de mera adaptação do Regimento Interno da escola.
      No final desse imbróglio pedagógico os estudantes continuam sem aprender e o próprio MEC denunciando que cerca de 60% dos estudantes, das escolas públicas e privadas, concluem a quarta série sem saber ler e escrever. Aplausos para o MEC. E aí como é que os senhores engravatados resolvem o problema? Criando cotas para os pobres coitados que não tiveram respaldo familiar para aprender no seu período de formação; criando o PROUNI para resolver um problema que está na origem e não na conseqüência. Por que será que eles não conseguem perceber que eles estão tornando o ensino superior ainda mais medíocre do que ele já é? Fico com medo de ser arrogante, mas preciso dizer que os senhores planejadores do ensino não estão entendendo nada. Quanto às cotas em função da cor da pele... Sem comentários.
      O que eles fizeram com a universidade brasileira é um caso de polícia. De polícia mesmo. Li uma reportagem da Revista Veja, em que o jornalista denunciava que alguns membros do Conselho Federal de Educação (na época ainda tinha esta designação) prestavam consultoria às instituições que pretendiam iniciar um curso superior e estes mesmos conselheiros/consultores aprovavam os cursos que eles prestavam consultoria. Algum conselheiro foi preso? Não. Bem, pode ter sido uma história inventada pelo jornalista e, neste caso, ele fez uma denúncia grave e falsa. Isso é crime. O jornalista foi processado por calúnia? Preso? Também não. Todos viveram felizes para sempre. Como se nada tivesse acontecido; como se a reportagem não tivesse existido.
      Segundo Gilberto Dimerstein no governo Fernando Henrique Cardoso, em que o Ministério da Educação esteve sob a liderança do ministro Paulo Renato de Souza, foram abertos 6 (seis) cursos superiores por dia. Como conseqüência disso já presenciei uma instituição de curso superior sortear passagem para Nova York para aqueles que trouxessem novos alunos. Paralelamente algumas instituições passaram a vender "educação" como se fosse sanduíche. Pois estas instituições que passaram a tratar a educação como uma mercadoria espúria, segundo as próprias declarações de um Reitor de uma dessas, passaram a abrir filiais em qualquer tipo de prédio, até em anexo de supermercado. A conseqüência inevitável disso foi que instituições de renome, reconhecidas como de qualidade, estão quase fechando as suas portas. Ou o MEC não sabe que em muitas instituições de ensino superior os professores estão sem receber seus salários e elas na porta da falência? O nosso ex-ministro deve estar muito contente já que, logo depois de sair do governo, ele abriu uma firma de consultoria nesta área. E ninguém acha nada demais. Lavamos nossas mãos, como Pilatos. Será que estamos tomados pela "Síndrome de Pilatos"?
      A competição por estudantes é tão absurda que repercute diretamente na qualidade da formação do profissional de qualquer área. Vejam só: vamos supor que a instituição onde trabalho tenha reunido seus profissionais da educação, seus Pedagogos, e todos tenham concluído que a grade curricular está mal estruturada e precisa ser refeita. Ao se refazer esta grade curricular, de acordo com as necessidades que os estudantes precisarão aplicar em suas práticas profissionais, percebe-se que três anos é pouco para a formação de um Pedagogo competente, por exemplo. Pergunto: mesmo sabendo que a formação de um Administrador Escolar competente deve ser dar num mínimo de quatro anos a instituição irá adotar este procedimento? Respondo: NÃO!!! Se a instituição, que quer trabalhar com seriedade e honestidade, fizer isso irá falir. Se o objetivo de nossa educação é o diploma os estudantes irão procurar a instituição que oferece o curso em menos tempo, independentemente da qualidade de sua formação. 


O mínimo que eu poderia dizer da pós-educação no Brasil é: que bagunça!

      E a pós-graduação? Não é possível que exista um especialista em educação que possa achar que esteja tudo bem. O mínimo que eu poderia dizer da pós-educação no Brasil é: que bagunça! É difícil até resumir o que falar sobre esta questão. Vamos falar dos objetivos da cada nível da pós.
      Mestrado é o curso que prepara o indivíduo para a docência do ensino superior e para o exercício da pesquisa. Confere grau acadêmico.
      Doutorado é a defesa de tese sobre tema relevante da educação, com funções de aprofundamento e consolidação do curso de mestrado. Confere grau acadêmico.
      Especialização é o curso que visa a um aprimoramento (aperfeiçoamento) ou aprofundamento (especialização) da formação profissional básica supostamente obtida no curso de graduação correspondente. Assim, um curso como este, poderia corresponder, mas não necessariamente, a uma espécie de prolongamento do curso de graduação, levando-se em consideração o avanço do conhecimento relacionado a área de estudo. Os cursos de especialização, via de regra, tem sentido eminentemente prático-profissional e concede certificado.
      A proposta parece simples: para se tornar um professor universitário, de qualquer área, o profissional deverá realizar um curso de Mestrado ou Doutorado; para se aprofundar numa determinada área de estudo deverá efetivar um curso de Especialização, Extensão ou Aperfeiçoamento. Desta forma um arquiteto, por exemplo, que deseje se tornar professor universitário deverá fazer um curso de Mestrado. No entanto, para ser aperfeiçoar no conteúdo das disciplinas que oferece, deverá fazer um curso de Especialização.
      Mas o que acontece na prática? 


A quantidade de cursos superiores aumentou significativamente e a implantação de cursos de Mestrado não acompanhou este crescimento.

      Um dos critérios para a avaliação das instituições de ensino superior é levado em consideração a quantidade de professores que tenham realizado curso de Mestrado. Se o objetivo dos cursos de Mestrado é o preparo para docência superior e para a pesquisa, nada mais louvável de ser adotado como critério de avaliação o cumprimento deste curso. Só tem um pequeno problema que parece ainda não detectado pelo MEC: a quantidade de cursos superiores, como foi dito anteriormente, aumentou significativamente e a implantação de cursos de Mestrado não acompanhou este crescimento. Resultado: as instituições que oferecem cursos de especialização inventaram a farsa da especialização em "Docência Superior". Sei lá, mas isso me parece uma maluquice. Você pergunta a um colega professor universitário: "- Tem curso de Especialização?" O outro responde: "- Tenho. Sou especialista em professor universitário".
      E a pesquisa? Bem, depois que o reitor da segunda universidade, em termos de quantidade de estudantes do Brasil, declarou nos jornais que pesquisa não serve para nada e nada aconteceu com ele ou com a sua instituição, o que poderemos dizer sobre isso? Sobre pesquisa nos cursos superiores? Perguntem aos engravatados do MEC.
      Repetindo mais uma vez: o objetivo do Mestrado não é a preparar para a docência superior e para a pesquisa? Então como explicar o Mestrado em Administração, Odontologia, Psicologia etc.? Deveria ser simplesmente curso de Mestrado para preparar o indivíduo para ter competência como professor universitário, como pesquisador e orientador de pesquisas. O aprofundamento da área de estudos, seja em Administração, Odontologia, Psicologia, ou outra qualquer, deveria ser realizado num curso de Especialização. A bagunça é tão evidente que os cursos de pós-graduação em Administração são chamados de MBA, onde muitos dos seus estudantes não sabem sequer que quer dizer Master in Business Administration. Essa confusão toda foi legalizada pela Portaria CAPES número 080, de 16 de dezembro de 1998, que criou, com tempo de titulação mínima de 1 (um) ano (!!!!), o "mestrado profissional"(!!!). Pode...? 


A seleção de professores dos cursos superiores nem sempre está baseada em qualidade e sim na relação de amizade com os responsáveis pela contratação.

      Paralelamente a isso a seleção de professores nem sempre está baseada em qualidade e sim na relação de amizade com os responsáveis pela contratação. Baseado nesta realidade, tomando-se como exemplo a área em que estou envolvido, a Pedagogia, encontramos psicólogos ministrando a disciplina Didática, geólogos ministrando a disciplina de Filosofia da Educação, já que, mesmo não tendo a formação na área da Educação, fizeram um "Mestrado em Educação". Na área do Direito a questão é mais grave. Normalmente os professores desta área são profissionais reconhecidos nas suas áreas de atuação (Juiz, Desembargador, Promotor, Advogado etc.), mas não necessariamente bons professores. Por que será que a Ordem dos Advogados do Brasil vem reclamando da qualidade dos profissionais da área do Direito que vêm sendo formados?
      Esta realidade está estampada nas instituições de ensino superior, mas e os planejadores da educação no Brasil? O professor Lauro de Oliveira Lima já nos alertou que na Constituinte de 1988 não tinha educadores. Já procuraram saber quem são os componentes da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados? Será que eles seriam capazes de responder o que é aprendizagem, segundo Jean Piaget?
      Mas por que então ninguém reclama? Porque é cômodo para todos. Para o professor que não precisa planejar sua aula; para o estudante que copia trechos de livros (quando não só assina seu nome na "cópia" feita pelos colegas, garantindo a sua nota) e para a instituição que garante a permanência do estudante. No final do semestre ninguém aprendeu nada, mas deu mais um passo decisivo nesta "corrida de obstáculos" em busca daquele pedaço de papel que o "rito de passagem" resolveu chamar de diploma. O mais espantoso é que, para aqueles professores que entram numa sala de aula de um curso superior, isso é muito evidente, muito fácil de se constatar. É fácil perceber que os estudantes não estão aprendendo. Não só na disciplina ministrada por eles mesmos como nas ministradas pelos colegas.
      Trabalhei num curso de Administração de Empresas, ministrando a disciplina Metodologia Científica, em que nenhum (enfatize-se o nenhum) estudante de uma turma do penúltimo período conheciam Fayol ou Taylor (!?) e suas teorias sobre administração.
      O professor Lauro de Oliveira Lima, em seu livro Mutações em educação segundo McLuhan, baseado na teoria da Comunicação de McLuhan, diz que a causa deste fenômeno é a ênfase que se dá ao diploma como fim último da dinâmica escolar. A escola não está preocupada em exercer suas atividades para valorizar a aprendizagem e sim em entregar o diploma no fim do curso. A educação, neste sentido, não passa de uma mera "corrida de obstáculos". Quem conseguir "passar" pelas dificuldades do percurso ganha o papel chamado de diploma no final da "corrida". 


A educação é um jogo de cartas marcadas, onde, "a priori", sabemos quem sairá vencedor.

      Ora, o diploma nada mais é do que uma forma de se criar uma hierarquia social onde alguns obterão "status" social, outros não. Percebendo isso sabemos que a educação é um jogo de cartas marcadas, onde, "a priori", sabemos quem sairá vencedor. Neste jogo injusto o diploma apenas dá ao seu possuidor o direito legal da manutenção da posse e do lugar social de seus descendentes.
      Quem não sabe que a educação é discriminatória? Quem não sabe que existem escolas de ricos e de pobres? Podemos dizer que os estudantes das escolas dos ricos "aprendem" melhor do que os das escolas dos pobres?
      Lembro aqui de uma história contada por Ricardo Mella, educador anarquista, na Revista "Acción Libertaria" e transcrita no livro Educação Libertária:
                  Ptolomeu Philadelpho, rei do Egito, pediu a seu professor, o geômetra Euclides, que fizesse em seu favor algo para diminuir as dificuldades da demonstração científica, em verdade bastante complicada naqueles tempos. E Euclides lhe respondeu: "Senhor, não há na geometria caminhos especiais para os reis". (MELLA, 1989, p.79)
      Ora, sabemos que os estudantes de qualquer escola não aprendem. Quem se formou na área de ciências humanas sabe resolver uma raiz quadrada? Ou melhor (ou pior!): sabe o que é uma raiz quadrada? O que é uma equação de segundo grau? Para que serve? O que é um pleonasmo? Uma síncrise? Uma figura de linguagem? O que é uma oração subordinada? O que é uma conjunção? Talvez não saibamos nem mesmo o que seja uma preposição. Se não somos professores de português sabemos escrever corretamente? Usar corretamente a crase, o isso ou isto, usar vírgulas, exceção é com cê cedilha ou com dois esses etc, etc e etc...
      Tudo isso (ou isto?) nos foi "ensinado" na nossa formação escolar. E esquecemos... Ora, se esquecemos, será que aprendemos? Se não aprendemos, então para que serve a escola? Na minha opinião para discriminar.
      Os professores dos cursos superiores, na sua maioria, adoram dizer que os estudantes não sabem escrever. Mas se os estudantes chegam ao curso superior sem saber escrever, sem saber expressar suas idéias, de quem é a responsabilidade? Dos estudantes ou dos seus ex-professores?
      Na pós-graduação a realidade é a mesma: professores despreparados, estudantes desinteressados, instituições desaparelhadas e todo tipo de desonestidade vagando pelos corredores dos cursos, do processo de seleção a entrega da Monografia, Dissertação ou Tese. Certa vez fui procurado por um grupo de estudantes que fazia um curso de Mestrado a distância, desses que só se assiste aulas nos fins de semana. Elas queriam que eu fizesse a "Monografia" (monografia é própria para os cursos de especialização; no Mestrado chama-se Dissertação) para elas. Como tivesse me recusado elas aceitaram a minha orientação para que elas mesmas fizessem o trabalho. Qual não foi a minha surpresa quando as três apareceram juntas dizendo que a "Monografia de final de curso" seria feita em trio (!?). Então não era uma Monografia (mono-um / grafia-escrita, ou seja, escrita de um) era uma "Trigrafia", novidade inventada por uma instituição que estava mais interessada na mensalidade dos estudantes do que no progresso da aprendizagem deles.
      Mas talvez tenha sido uma bobagem minha ter me recusado a fazer o trabalho por elas (o que me recuso até hoje), já que poderia ter ganho uns "trocadinhos" a mais. Um professor meu, do meu curso de Mestrado, de uma Universidade Federal, portanto estável em seu emprego, confessou para todos os seus estudantes, na sala de aula, que tinha mandado imprimir um cartão fazendo propaganda que estava disponível para confeccionar trabalhos de final de curso, mediante pagamento. E hoje, de tal forma a realidade está distorcida, já encontramos nos jornais anúncios como estes abaixo: (os telefones foram adulterados por motivos óbvios) 



      Isso é educação e isso tudo faz da escola, como nos ensina o professor Lauro de Oliveira Lima, "o maior circo da Terra".
      Agora eu gostaria de me valer dos ensinamentos de Raul Seixas ("quem tem mais razão, o cientista ou o poeta?", perguntou-me, certa vez o mesmo professor Lauro de Oliveira Lima) em Metamorfose Ambulante e "desdizer tudo o que eu disse antes": não, a educação não É uma farsa; a educação ESTÁ uma farsa. Mudar? Depende de nós, pedagogos. Mas isso é assunto para um próximo capítulo.
      E como diria a minha amiga Adriana de Oliveira Lima:

PEDAGOGOS DO MUNDO, UNI-VOS!





      Referências:

LIMA, Adriana Flávia de Oliveira. Alfabetização de jovens e adultos e a reconstrução da escola. Petrópolis: Vozes, 1991.

LIMA, Lauro de Oliveira. Mutações em educação segundo McLuhan. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 1985.

_________ . Para que serve as escolas?. Petrópolis: Vozes, 1995.

MELLA, Ricardo. O problema do ensino. In.: MORIYÓN, F. G.. (org.) Educação libertária. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989. (Educação: Teoria e Crítica). p. 68-82.

 



Para referência desta página:
BELLO, José Luiz de Paiva. Educação é uma farsa!. Pedagogia em Foco, Rio de Janeiro, 1998. (revisado e alterado: jul. 2004). Disponível em: <http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/filos05.htm>. Acesso em: dia mes ano.



Todos os créditos desse texto são do blog: http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/filos05.htm

0 comentários:

Postar um comentário

Se expressem , gritem , cornetem , comentem

Grato , blog 2 cabeças viajantes