FHM #101: Fortaleza de volta a serie A do Brasileirão

       

             Olá pessoal 

           Hoje temos uma crônica sobre o fim da Serie B, O leão do Pici conseguiu o acesso a elite depois de muito tempo e com outra figura que fez sucesso no tricolor, este o Paulista, Rogerio Ceni procurando recomeço numa curta trajetória no comando técnico do lado de fora do campo. Duas histórias cheias de sucesso e que precisavam de uma subida de nível que aconteceu este ano, valorizando muito mais o futebol Cearense. 

           O Fortaleza, grande time nordestino, vivia um inferno de mais de uma década (2004 -2017) com a frustração de 8 anos, 4 mata matas e ficava pelo caminho de voltar a segunda divisão nacional, 2017 foi o ano de quebrar essa parede e de vez voltar a Serie B com uma aposta alta de sua diretoria após o fracasso com o São Paulo: Rogério Ceni que é um novato dos treinadores com alguns cursos na Europa e uma curta passagem pelo clube que o consagrou. 

           Veio Ceni, também Gustagol e a nuvem escura que rondava o tricolor da Pici se foi de vez, com a mostra de comando do Ex goleiro e a eficiente maquina que se tornou esse time frente a regularidade dos pontos corridos, parece que mata mata sempre foi o problema, o talento de construção de time e do destaque que alcançou nacionalmente. A visão da mídia com a segunda divisão foi baixa com a saída da TV aberta e principalmente, pouco se ouviu dos destaques e de se discutir como o Fortaleza chegou aqui com vantagem e jogando bem. 

         A vida do Rogério de um ano para outro foi de um extremo a outro, saiu da frigideira tricolor do meio de 2017 para o final de ano vitorioso e reconhecido no Fortaleza, a grande coincidência é que o Tricolor continua, só mudou de Estado. Começou errado em aceitar uma bucha em SP, mostrou projeto vindo de baixo tendo que encarar o caminho de pedras da segundona e o futuro promete coisas boas ficando no time ou aceitando outros desafios. 

       O centenário do Leão foi a melhor aposta feitas em anos, bons nomes e com disposição recompensada com um título nacional esquecendo de toda a carga negativas dos outros anos e focando no futuro, se manter o treinador e aproveitar a entrada de capital: Formar um grande elenco e o bom trabalho da diretoria, pensar em ficar anos na 1° divisão. 

      Vida longa ao Tricolor de Aço, Boa sorte ao Rogério Ceni e que este exemplo de trabalho e gestão se mantenha para 2019. 

     É isso, pessoal 
    Até a próxima 

   

Comentários

confira :

Quinta do youtube #124: Algoritmos e a busca da bússola de ouro