FHM #113: Poder financeiro e o peso dos resultados

               

                      Olá pessoal 

              O tema de hoje é a relação de expectativas entre o dinheiro e as vitórias dos times que tem um aporte de uma grande empresa, um dono bilionário ou até de um conglomerado internacional. A situação que se colocam times como o Palmeiras, Flamengo por aqui e na Europa: PSG, Chelsea, Manchester City e outros, a criação de uma responsabilidade de conquistar taças mesmo competindo com times tradição e outras barreiras. 

           A repercussão constante dos últimos anos para a Dupla Verdão e Mengão após as eliminações e derrotas tem um roteiro parecido pois o fato dos cofres cheios e os elencos mais caros terem uma medida maior de culpa na hora de apontar falhas nesta equipes em especial. A pressão vem de todos os lados: Mídia, Torcida e redes sociais, ressaltando o fato que é positivo de ter grana no meio do futebol viabilizando estruturas (Estádio, CT, Viagens confortáveis) e contratações mais caras do mercado mas a contrapartida técnica e tática se reflete no campo e a demanda de resultados fica acima da média comum de um time grande e disputando campeonatos nacionais e internacionais. 

           Em outro contexto, a Europa tem mais concentração de talento e dinheiro do que o resto do mundo, a lista de times criticados por terem donos e se tornarem mais ricos que os outros ficam mais aberta pois em cada liga principal existe um clube marcado pela relação dinheiro x resultado. Os mais destacados são PSG, Man City, RB leipizig, Anzhi, Milan e etc tem donos ricos e são sempre tem começos promissores em avanços de colocação em copas e ligas mas esbarram na linha que divide o Grande do Gigante, bater de frente com o Real Madrid, Barcelona, Juventus, Liverpool e outros. 

             Assim, podemos pensar que a relação imediatista sobre a entrada de muita grana no clube se tornar sinônimo de sucesso é errada. Os exemplos acima é a parte que se vê desta equação pois o números de projetos em clubes médios e pequenos que poderiam chegar ao nível de um grande e falham, falindo o clube de vez ou amarrando um time ruim a um bilionário tanto quanto a um grupo de investimento sendo a prova cabal que a compra de times dão certo em poucos casos e estes as vezes sofrem muita pressão pelo aporte que já receberam e vão receber nos próximos anos.  

  Confira as nossas redes sociais

                É isso, pessoal
                Até a próxima 

               
  

Comentários

confira :

Quinta do youtube #110: Estereótipos e perfis diferentes

Radar Musical #4: Estrelas pop em ascensão